Pinturas em Vidro

Nuvem para meia altura, 2015; papel glassine, vidros e lâmpadas; dimensões variáveis. Vista parcial da exposição “Jaguares” no Paço Imperial, Rio de Janeiro. Registro fotográfico: Mario Grisolli.

Rabiscada, 2017; madeira pintada e vidros; dimensões variáveis.Vista parcial da exposição “Fluxo Bruto” no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro (MAM/RJ), curadoria Beate Reifenscheid, diretora do Ludwig Museum de Koblenz, Alemanha. Registro fotográfico: Mario Grisolli

Angelas2017mármore e vidros;dimensões variáveis. Vista parcial da exposiçãoFluxo Brutono Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro (MAM/RJ), curadoria Beate Reifenscheid, diretora do Ludwig Museum de Koblenz, Alemanha. Registro fotográfico: Mario Grisolli


Com licença, Dona Lina, 2016; vidros, oxidação de ferro sobre vidro, espelho e cabos de aço; dimensões variáveis. Coleção do Instituto Lina Bo e PM Bardi, SP. Vista parcial da exposição “Intervalo das coisas“, no Instituto Lina Bo e PM Bardi (Casa de Vidro), São Paulo, 2016. Registro fotográfico: Everton Ballardin.


Pintura elétrica, 2016. Intervenção na fachada do prédio do Instituto Lina Bo e PM Bardi (Casa de Vidro); vidros, lâmpadas e cabos de aço; dimensões variáveis. Coleção do Instituto Lina Bo e PM Bardi, SP. Vista parcial da exposição “Intervalo das coisas“, no Instituto Lina Bo e PM Bardi (Casa de Vidro), São Paulo, 2016. Registro fotográfico: Everton Ballardin.

Nos intervalos entre as coisas importantes, nos minutos à toa, 2012-2015; Madeira, tinta acrílica, vidros planos, cabos de aço e alumínio; dimensões variáveis. Coleção do artista. Vista da exposição “Jaguares”, no Paço Imperial, Rio de Janeiro, 2015. Registro fotográfico: Mário Grisolli


Fugitiva I e Fugitiva II, 2013  &  Fugitiva II, 2013; Madeira, tinta acrílica, vidros planos e cabos de aço; dimensões variáveis. Coleção do artista. Vista parcial da exposição “Repertório para aproximação de suspensos” no Instituto Tomie Ohtake, 2013. Registro fotográfico: Rômulo Fialdini.


Fugitiva I, 2013 (detalhe); Madeira, tinta acrílica, vidros planos e cabos de aço; dimensões variáveis. Coleção do artista. Vista parcial da exposição “Repertório para aproximação de suspensos” no Instituto Tomie Ohtake, 2013. Registro fotográfico: Rômulo Fialdini.


Pink Gelosia, 2010 (da série Gelosia). Oxidação de aço sobre vidros planos e acrílica; dimensões variáveis. Coleção do artista. Vista da exposição “José Bechara: FENDAS” no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro (MAM/RJ). Curadoria Luiz Camillo Osório. Registro fotográfico: Julio Callado